quinta-feira, fevereiro 01, 2007

As Novas Caras-de-Pau do Velho Senado Brasileiro

Hoje, 01 de Fevereito de 2007, o Brasil mais atento às notícias pode ver a posse dos novos senadores. Senhores eleitos por nós e, como cães, deveriam refletir a personalidade de seus donos. De fato, não são cães nem são escravos, para serem propriedade privada. Mas são empregados.E nós, somos patrões passados para trás.

Arnaldo Jabor fez uma fantástica analogia: a política brasileira é como uma lagartixa cujo rabo fora cortado. A lagartixa, sem sombra de dúvidas, não fica lá muito feliz, mas logo depois o novo rabo cresce igualzinho ao rabo antigo, e bastante fortalecido.

Senhor Severino Cavalcante elegeu seu candidato a presidente do senado. O ilustríssimo (e cheio de brilhantina) Senador Fernando Afonso Collor de Melo está lá. Foi eleito. Seu partido, que está com certa minoria da banca, não precisa de mais nada. Eles tem Collor! Eu me lembro, e era um caraminguá pequenino quando testemunhei, a fúria verde-amarelo dando um pé na bunda do Collor. Era o poder da Rede Global de colocar no poder e, em seguida, tirar do poder aquele que foi a vergonha da minha geração. O orgulho deste homem? Ah, ele tem, pois até hoje há quem esteja recebendo correções do congelamento das cadernetas de poupança, e foi ele quem ordenou a medida. Minha futura sogra não tem coragem de colocar dinheiro em caderneta de poupança, e quando a Previdência Social paga sua esmola (desculpe, benefício...), ela saca tudo (como se fosse muito) porque tem medo de deixar no banco. Pobre brasileira.

E este homem, senhores amigos visitantes, tem um site. Não deixem de visitar! Entrem em http://www.collor.com - e por favor, não cliquem em "pular introdução"...tesk tesk...assistam! Testemunhem a hipocrisia. E eu desafio você a encontrar um link para contato. Ele não é besta, nem nada. Não quer ser importunado? Simples! Não divulgue onde mora e nem dê seu celular para qualquer um, não é assim que a gente faz, companheiros?

E por falar em "companheiros", ele também está lá! Senhor Paulo Maluf. Este filme nos já vimos. Lembram-se de V de Vingança? Assistam à P de Palhaço.

Realmente, não são como cães fiéis. São como abutres sobre o nosso bife. Um bife suculento, com muita burocracia para nós, mas facinho facinho para eles.
Bem feito pra gente! E nem com porrada a gente aprende. O brasileiro, definitivamente, é como uma ninfomaníaca sado-masoquista: gosta de dor e pede sempre para apanhar mais.

Nada mais a declarar....

O Mestre do Terror Brasileiro

A arte e a cultura brasileira vêm passando por um processo de amadurecimento contínuo ao longo dos tempos. O cinema nacional, em contraste ao que vemos hoje, já foi exemplo de mal gosto e falta de qualidade. Se faz bastante claro que não podemos justificar o todo pela parte. Grandes mestres como Mazzaropi, do cinema regionalista, Oscarito, Grande Otelo, que foram grandes nomes no cinema de Chanchada, além de roteiristas e diretores de peso, como Carlos Manga e claro, José Mogica Marins, o todo poderoso e senhor de todos os sortilégios Zé do Caixão.

A literatura, desta se torna redundante falar, temos uma das mais ricas do mundo, sem a menor sombra de dúvida. Clássicos que encantaram, emocionaram e fizeram pensar gerações inteiras de crianças, jovens e adultos. Augusto dos Anjos, Cecília Meirels, Guimarães Rosa, Olavo Billac, Oswald de Andrade, Érico Veríssimo, Machado de Assis, Manoel Bandeira, Mário Quintana, Monteiro Lobato...acho melhor parar por aqui.

E em tempos de "Eguinha Pocotó" e "Bruna Surfistinha", vale muito a pena falar de uma literatura que, fazendo juz ao gênero, está consolidando um grande novo nome do suspense e terror brasileiro: André Vianco

Se você ainda não ouviu falar dele, vai ouvir. Com grandes títulos lançados em mais de 10 anos de carreira, André Vianco cria e dá vida aos mais surpreendentes devaneios de uma mente genial no que tange a criatividade para escrever histórias de vampiro, anjos, fantasmas e demais criaturas de além-túmulo. O mais interessante é poder ver personagens com nomes realmente brasileiros e lugares por onde você certamente passa todos os dias à caminho do trabalho retratados em suas páginas. São heróis e anti-heróis com problemas do cotidiano de todos nós, como a bebida, aluguel atrasado, dificuldades de relacionamento interpessoal e, é claro, professores na arte do "jeitinho".

São obras de vocabulário simples e direto, o que deixa bem claro que o importante para ele é a emoção, a diversão e o entretenimento na hora de lermos suas obras. André não me parace, nem de longe, ter a menor pretenção de algum dia ser imortal da Academia Brasileira de Letras. Em se tratando de formalidades e tradições literárias, se este fosse o caso, tenho certeza que tudo que "Os Imortais" iriam querer é que André Vianco continuasse o mais mortal possível. Mas em se tratando de diversão, longa vida à André Vianco!

Algumas de suas obras mais famosas são: Os Sete (seu primeiro sucesso), Sétimo, Senhor da Chuva, Sementes No Gelo e a coleção Turno Da Noite.

Ler André Vianco vale cada minuto, cada centavo e cada arrepio na espinha.
Recomendo!

Alguns links interessante:
Museu Mazzaropi - http://www.museumazzaropi.com.br/
Click Escritores - http://www.clickescritores.com.br/imortais.htm
Contos Noturnos - http://www.contonoturno.hpg.ig.com.br/livros/index.html
Edito Novo Século - http://www.novoseculo.com.br/

por Renato Caldas.
E-mails, xingamentos e ameaças de morte para: renatocaldas01@gmail.com