segunda-feira, fevereiro 19, 2007

Desfile das Escolas de Samba de Domingo - Uma análise pessoal - Parte Um



Neste domingo, dia 18 de Fevereiro de 2007, o Brasil e o Mundo pode ver o maior espetáculo da Terra. Foi o primeiro dia dos desfiles das Escolas de Samba do Grupo Especial do Rio de Janeiro. E eu estava lá! Com alguns problemas técnicos, minha Olympus X-760 riu e tripudiou de mim, dando a entender que não queria jogar o foco corretamente no meio da passarela do samba. E eu, como calmo e tranquilo folião brasileiro, tive que fazer malabarismos para controlar o mínimo movimento das mãos, a fim de compensar desfoques sensíveis. Mas registrei cada grande alegoria que passou diante dos olhos atentos e emocionados de todo o mundo. Ou, quase cada um.

A ordem dos desfiles deste domingo foi a seginte:
21:00hs - 22:20hs: Estácio de Sá
22:20hs - 23:40hs: Império Serrano
00:00hs - 01:20hs: Estação Primeira de Mangueira
01:25hs - 02:45hs: Viradouro
02:45hs-04:05hs: Mocidade Independente de Padre Miguel
04:10hs-05:30hs: Unidos de Vila Isabel (Atual Campeã do Carnaval de 2006)

A Estácio de Sá repetiu o enredo do carnaval de 1987. Repetir o enredo nunca foi algo que tenha acontecido dentre as escolas de Samba, mas esta prática começou a se popularizar nos últimos 4 anos, quando a Tradição repetiu um enredo da Portela (esta é a mais antiga das escolas de samba). O Enredo da Estácio de Sá foi "O tititi do Sapoti".Contando a história do sapoti, uma fruta de origem Mexicana, que se popularizou e foi introduzido aqui no Brasil pela corte do Rei Dom João e "Dona" Leopoldina. Foi muito belo ver a Sapucaí estourar de alegria, com um enredo conhecido, um samba à 20 anos na ponta da língua e uma bateria que surpreendeu, tocando pesado, muito bem compassada e com uma harmonia atípica para esta escola. Foi incrível ver a superação da Estácio de Sá, que já foi rebaixada e retornou ao grupo especial uma série de vezes.


O Império Serrano falou das diferenças entre os homens, com o enredo "Ser diferente é normal: o Imério Serrano Faz a Diferença No Carnaval". Sinceramente, não achei tanto brilho na coroa do Império Serrano. O refrão era bom: "...eu quero ver, o amor florescer, ser diferente é normal...e o Império tá aí, pra levantar seu astral, se liga no meu carnaval!" Ficou excelente, a Sapucaí em peso cantando, mas a bateria não me agradou em nada. Pra quem entende de samba, sabe que existem três tipos diferentes de marcação, que quem faz é um instrumento chamado de "surdo". É como um zabumba grande e com couro animal. Existe a marcação de primeira: "tum...tum...tum...", a marcação de segunda: "tum-tum...tum-tum...tum-tum...', e é claro, a de terceira: "tumtum-tum...tumtum-tum... tumtum-tum...", que são mais rápidas em escala crescente, ou seja, da primeira pra terceira. A Mangueira usa o surdo de primeira, o surdo solitário, e APENAS ELA. É sua marca registrada na história do carnaval. Viradouro e Salgueiro já usaram os de segunda e terceira.

Disse isso tudo pra falar que NÃO SABIA QUAL A ORDEM DO SURDO DO IMPÉRIO SERRANO. Era descompassado, me encomodou os ouvidos, e afim de obedecer a obrigatoriedade da "paradinha-da-bateria" , que virou quesito obrigatório de julgamento, a escola se estrepou, fez excessivas e exaustivas paradinhas, perdendo o rumo e o controle do samba executado.
Por outro lado, a escola estava belíssima. Seguem algumas fotos das principais alegorias.



VOLTO A ESCREVER AMANHÃ, DIA 20 DE FEVEREIRO, COM MINHA OPINIÃO SOBRE AS ESCOLAS RESTANTES, POIS HOJE NÃO ESTOU COM TEMPO SUFICIENTE, UMA VEZ QUE ACORDEI TARDE E AINDA VOU PARA A SAPUCAÍ NOVAMENTE, POIS HOJE TEMOS MAIS 7 ESCOLAS RESTANTES. VOU REGISTRAR TODAS E COLOCAR AS FOTOS DAS DE ONTEM E DAS DE HOJE. MAS SÓ AMANHÃ!


UM ABRAÇO A TODOS.

Renato Caldas.