domingo, outubro 04, 2009

Os projetos para a Copa do Mundo de 2014

É.. por 6 anos e meio o Rio de Janeiro vai ser o centro das atenções NO MUNDO.

2010 -> Jogos olímpicos Militares. Local: CIDADE DO RIO DE JANEIRO
2013 -> Copa das Confederações. Local: CIDADE DO RIO DE JANEIRO E BRASIL
2014 ->Copa do Mundo. Local: CIDADE DO RIO DE JANEIRO E BRASIL
2016 -> Jogos Olímpicos. Local: CIDADE DO RIO DE JANEIRO

A cidade maravilhosa vai ficar em evidência por mais de meia década, para todo o mundo.

Entretanto, gostaria de deixar marcados aqui alguns aspectos, não com o objetivo de irritar, ou magoar o carioca, mas para nos fazer pensar um pouco e, desde já, começarmos a mudar nossa mentalidade se desejamos ser vistos pela comunidade mundial como uma cidade e um país de primeiro mundo.

1°)- Temos que aprender a cumprir nossos prazos:
Não dá pra fazer como fizemos nos jogos PanAmericanos: Os prazos estavam esgotando e as licitações tiveram de ser aprovadas a todo custo. Não prezou-se pelo projeto sustentável e duradouro, ou seja, aquele que terá uso e valor após os jogos. Prezou-se pelo cumprimento do prazo APENAS. Os valores foram altíssimos, abusivos e, de todo o "legado" do Pan, muito pouco estará em condições de ser aproveitado apenas com uma remodelagem.

2°)- A segurança da cidade vai ter que melhorar:

Não dá para conceber uma cidade para a qual todo o mundo estará olhando, com olhos altamente críticos, correr o risco de ter casos de crimes e acidentes contra os turistas e mesmo contra os moradores locais. Durante os jogos PanAmericanos, muito pouco se ouviu falar sobre crimes na cidade. Não se sabe se realmente houve um aumento na segurança, se houve acobertamento por conta da mídia e dos órgãos de segurança ou se foi como a "visita do Papa em Tropa de Elite".

3°)- A questão do transporte:
Eu tenho um amigo espanhol que está estudando por intercâmbio lá na minha universidade (ps: ele é de Madrid!!!) e eu perguntei a ele qual a questão crítica a se melhorar na nossa cidade e, curiosamente, a resposta foi imediata, "na lata": o transporte. Em Madrid, existem diversas linhas de metrô, de forma que o sistema é completamente redundante. Você pode ir a qualquer lugar da cidade de diversas formas, passando por várias linhas. Não é como aqui, que você tem o mapa das únicas duas linhas que existem. Lá, a menos que você seja um morador que faz todos os dias o mesmo trajeto, precisa andar com um mapa do sistema de linhas da cidade. Muito comum. Muito complexo e extremamente bem administrado.
Pra dar certo, a gente não vai ter de construir uma nova estação a cada ano. Pra ficar bom, deveria ser quase uma nova linha a cada ano. D-U-V-I-D-O que isso vá acontecer.

Vendo o projeto de maquetes virtuais, consigo adiantar um problema que vai ser crítico, e deveríamos pensar desde já. Imaginem só: as obras prezam por regiões já muito bem cuidadas: Zona Sul, Barra da Tijuca e a parte Central da cidade. O problema é que será intensificada a atenção e evolução destas localidades, com o avanço de novas contruções sobre áreas onde agora há ocupação irregular (favelas) e alguns terrenos de empresas.

Os projetos devem prezar para que as áreas que NÃO ESTÃO NOS PLANOS DE REURBANIZAÇÃO E MODERNIZAÇÃO não sejam ocupadas por aqueles que venham a perder suas ocupações anteriores.

É uma pena, mas estou prevendo o óbvio: as áreas mais "nobres" e turísticas serão tratadas com todo o carinho, enquanto as que não estão nos planos serão tratadas sem o menor pudor, de forma que ficarão pior ainda, com recursos deficientes e tratadas com o todo o descaso que o governo pode oferecer.

Nenhum comentário:

Postar um comentário